“Suicídio” de contador ainda é mistério em Paço

Seis meses depois, continua envolto em mistério o “suicídio” do ex-ordenador de despesas da Prefeitura de Paço do Lumiar Sandoval Fournier, o “Senador”. Ele morreu no dia 13 de dezembro do ano passado após supostamente ter ingerido grande quantidade do veneno conhecido por “chumbinho”. Chegou a ser levado ao hospital com vida, mas não resitiu e veio a óbito.
Ocupante de cargo Bia Venâncio e seu filhote Thiago Arôso
Braço direito de Thiago Aroso, filho da prefeita Bia Venâncio (PDT), “Senador” vivia aflito por conta de investigações na prefeitura. Dias antes da tragédia ele teria sido obrigado a assinar, em branco, dois talonários de cheques do município e os entregar para Amadeu Aroso, ex-marido de Bia, então secretario de Assuntos Estratégicos. Amadeu, por sua vez, repassou os cheques para Thiago Aroso, à época secretario e hoje chefe do gabinete da mãe.
Fontes policiais informaram ao blog que, na ocasião, o ex-ordenador de despesas andava preocupado ao tomar conhecimento que a Polícia Federal estava investigando a grande quantidade de dinheiro movimentada por Thiago Aroso.
“Senador” chegou a procurar o filho da prefeita no sentido de saber sobre saques vultuosos feitos no Banco do Brasil sem seu conhecimento. “Te vira. Dê a explicação que quiser, pois a responsabilidade pela ordenação das despesas e, consequente assinatura dos cheques, é tua e de mais ninguém”, teria respondido Thiago Aroso.
Desde então ele nunca mais foi o mesmo e as circunstâncias de seu “suicídio” nunca foram devidamente esclarecidas pela polícia.
Está na hora da própria polícia e do Ministério Público colocarem um ponto final nesse assunto até para que não paire nenhuma dúvida sobre a história de vida do cidadão honrado Sandoval Fournier.
Fonte: Decio de Sá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncie!